You Are Here: Home » Editorias » Seriados » O sol das Giovannas

O sol das Giovannas

Cláudia Brandão-Masters

Sol-Nascente

Pois é, Sol Nascente já acabou e e eu ainda não tinha falado com vocês sobre esse folhetim. Mas ainda bem, porque foi tanta coisa boa que agora há mais para escrever.

Não preciso divagar muito para dizer o essencial – viva as Giovannas dessa vida! Giovanna Antonelli, como sempre rebentou, arrasou, conquistou e ganhou… mas não só dessa Giovanna que esse sol é feito. Giovanna Lancelotti se superou muito nessa novela e eu estou decididamente convencida de que essa garota é boa actriz. Não foi o primeiro papel dela de destaque, mas foi um dos que mais gostei.

Giovanna 1, a rainha, a Jade, Capitu, Anita, Atena e tantas, tantas outras – agora foi Alice. Alice sofredora, amiga, apaixonada, filha, prima, Mãe e protagonista. Sim, no início não achei graça ao casal (Belo e Capitã Sardinha), não consigo dizer porquê, mas não gostava – agora digo, me enganei feio, porque o casal me conquistou! Ainda não conseguiu derrubar o casal da minha vida (Fred e Capitu, Giovanna está em todas) mas está no top 10! Ele, para mim a história de amor valeu por ele (digo a história de amor, porque a novela foi dela(s))! Bruno Gagliasso, o belo Mário, me encantou com aquele amor todo pela melhor amiga que conhecia desde criança. A verdade é que o que aqueles olhos passam é para poucos e com toda a certeza isso mudou muito minha visão, passei a acreditar nesse casal como se fosse de verdade. E a pegada? Gente! Tomara que a Giovanna ainda faça muitos papéis de mocinha, porque ela ainda tem foco na coisa e se tiver homens jovens e cheios de vontade – aí sim, química perfeita! (Levanta a mão quem gosta de homens mais novos!!!!)

Voltando… desde o início da história que o mundo sabe que eles se amam, menos claro, a querida Alice que por todos os motivos e mais algum não quer perder o melhor amigo, até que Mário beija sua amiga de infância e não é uma bitoquinha não, é beijo mesmo (nem sei se foi de novela só). Mas como toda a velha e boa história de amor, logo depois do primeiro beijo a mocinha vai embora para o Japão durante 2 anos e mesmo sem deixar de pensar no seu Belo, ela se encanta com o vilão da história, César.

Dois minutos nesse actor, por favor – que veracidade, que actor. Palmas para ele que conseguiu estar à altura da maravilhosa Laura Cardoso e fez muito bonito. Tudo bem que é vilão e não é esse o tema, mas ele está no top de vilões maravilhosos, lado a lado com a querida Renata Sorrah. Só não falo dele aqui porque para mim o final foi um pouco sem noção. Como assim uma vingança de mais de 30 anos?! Oi?! E que papo é esse de que alguém ouviu numa mesa de jogo que outro alguém tinha uma herança milionária e aí um terceiro alguém juntou a família inteira e foi à caça?! Um pouco de exagero não? De qualquer forma, pontos para Raphael Cardoso que defendeu seu César até ao fim! A única coisa boa ?! O final, finalzinho – Laura Cardoso curtindo horrores a herança com Malvino Salvador… Levante a mão quem gosta de homens mais novos x2!

Voltando mais uma vez…Alice volta para o Brasil de mão dada com o vilão e oferece o camarote da sua vida para ele e aí como fica o Belo? Fica com ciúmes e sem chão, e aquele olhinho azul chora, sofre… nada como sofrer de amor minha gente! Tudo corria mal quando chega em Arraial uma personagem (quase má) – nota, quase má porque a personagem (Carolina) vai se transformando e se torna a grande salvadora da nação – e piora tudo porque se envolve com o vilão, e apaixonada, a mando de César se aproxima de Mário e engravida. O mundo cai minha gente e moral da história? Alice percebe que ama o seu Belo no dia em que ele descobre que a quase má está grávida. Música triste agora….o coração pára mas Giovanna não  deixa Bruno Gagliasso fugir não, ela segura a onda e ainda diz “eu que perdi muito tempo”… perdeu mesmo gata, mas corre atrás do prejuízo que vale a pena.

Sofrem muito, se separam, brigam, se amam, se escondem, ela é presa, ele chora desesperado, ele corre atrás, ele canta para ela, se encantam, se amam, lutam e adivinhem?! O amor vence! A história é como milhares de outras mas nem todas têm uma Giovanna tão verdadeira como esta. Ela faz tudo parecer simples de tão natural que é, ela passa de Atena para Alice, de vilã para mocinha… finalmente tiraram o Alexandre Nero da cola dela e perceberam que há outros homens que ficam muito bem do lado dela e Bruno tem meu voto. Shipo , shipo mesmo!

Incrível como tantos anos depois Giovanna ainda consegue surpreender e enriquecer a TV. Sua Alice foi forte e poderosa. E aquelas roupas?! Quero todas!

Melhor que uma Giovanna, são 2, e Sol Nascente teve! Não sendo protagonista a história da pequena e do ogro conquistou muita gente. Giovanna Lancelotti começa com uma personagem fechada, triste, amargurada mesmo com tão pouca idade para depois se transformar em cisne e se tornar uma menina batalhadora e muito apaixonada pela sua independência!

Giovanna 2 conseguiu ter uma presença muito forte em cena e isso fez com que seu personagem ganhasse espaço e fãs. Salvou a novela e mesmo eu não gostando do Henri Castelli, fiquei atenta ao casal e torci por eles. Viva actores assim, que mudam minha visão, que me fazem querer assistir a novela. Viva!

Achei incrível eles terem separado o casal durante 6 ou 7 anos e depois juntarem eles de novo! Conseguiram acertar no tom dessa história e fico feliz que tenham aproximado muito da realidade atual!

Todo o Sol tem sua paixão e esta tem nome, tattoos e é linda – Leticia Spiller. Outro GRANDE papel dessa camaleoa e que para mim vai ficar na história. Babalu e Raí, ou melhor, Lenita e Vitório, se reencontraram! Quem aí não estava louco para ver esse reencontro?! Para quem não sabe, os atores que viviam esses personagens são ex casal na vida real e o filho deles, fez de Vitório numa participação mega especial em Sol Nascente. Adorei esse profissionalismo, a doce história de amor deles e mais ainda porque foi o Marcelo Novaes que indicou a Letícia para esse papel! Se é para ser ex que seja assim, um tapa na cara da sociedade Que tal um repeteco? Têm meu voto!

Mais uma bela história de amor que a Globo nos oferece e eu não podia estar mais grata à existência da internet por permitir que eu faça parte de todos esses mundos! Quero mais, sempre mais …

Sobre o Editor

Antonio Saturnino

Atleta frustrado, jornalista por formação e "cantor" de karaokê nas horas vagas. Sou apaixonado pelas diversas manifestações artísticas, porém com uma relação mais íntima com a música. É ela quem dá ritmo à minha vida e se encarrega de escolher a trilha sonora adequada para cada momento.

Número de Postagens : 375

Matraca Cultural © 2012 Todos os direitos reservados.

Scroll to top