You Are Here: Home » Editorias » Seriados » O bom filho a casa torna

O bom filho a casa torna

Por Cláudia Brandão-Masters

img-709618-primeiras-fotos-da-novela-velho-chico20160126161453831597

Mulherada do nosso Brasil, voltamos a ter um bom, ótimo, maravilhoso motivo para voltar a ver a Globo sem reclamar. Esse motivo se chama Rodrigo Santoro. Aliás, do nosso Brasil só não, do Mundo, porque ele merece. Ele merece, ele merece, todo mundo gritando por favor.

É verdade, depois de 12 anos o filho pródigo volta às suas bases. Meu querido Eliseu (personagem do ator em Suave Veneno) está em destaque na nova novela das 9 – Velho Chico! Ele veio mais maduro, mais experiente e incrivelmente mais gato.

A novela mal começou, mas já tínhamos a expectativa lá em cima… se ainda não viram, aproveitem porque vale a pena e eu, que estou longe, estou conseguindo seguir porque a globo disponibilizou, na íntegra, todos os episódios transmitidos até agora. Intenso, forte, poderoso, profundo, guerreiro, é assim o ambiente que se vive.

Voltando ao protagonista, Santoro estava longe das novelas da Globo desde 2003, quando atuou em Mulheres Apaixonadas. Foi depois dessa novela que decidiu se dedicar à carreira internacional e desde então, fez apenas algumas obras curtas na TV brasileira, como “Hoje É Dia de Maria” (2005) e “Afinal, o que Querem as Mulheres” (2010), ambas do mesmo diretor de Velho Chico, Luiz Fernando Carvalho.

A Globo jogou pesado e bem alto para trazer Santoro de volta para a TV, corre por aí que ele vai ganhar o maior salário dos atores da Globo para fazer apenas 18 capítulos de Velho Chico, valor esse que estão falando ser mais alto que Tony Ramos, Glória Pires, ou seja, a fina nata da Globo. Devo dizer que foi uma jogada de mestre porque tenho a certeza que muita gente vai gostar de revê-lo e para isso terá que ligar na Globo, ou seja, o canal vai conseguir manter a audiência.

O ator interpretará o protagonista da primeira fase da substituta de “A Regra do Jogo”, ambientada em 1968 e na segunda fase, nos anos 1980, o personagem será defendido por Antônio Fagundes – e, para quem não se lembra, no filme “A Dona da História” (2004) a dupla também fez o mesmo papel, Luís Cláudio.

Nota pessoal, a minha personagem preferida que ele fez e que sempre estará no top 10 de interpretações em novelas  – Eliseu Vieira. Durante muito tempo gostei do casal Eliseu e Maria Eduarda (Luana Piovani) mas aí o drama na vida real foi tanto que me cansou. Mas, traições à parte, uma das coisas que mais me fascina nesse ator é a entrega dele, é a maneira como ele vive cada papel e são momentos muito fortes e bonitos de se ver, porque até hoje eu lembro do momento em que Maria Eduarda termina com Eilseu porque descobre as mentiras dele – como ele chora, como ele pede perdão, como ela a ama… Vale a pena ver de novo “Suave Veneno”.

Acredito que é um regresso em grande e forte e pode ser que ele resolva ficar mais uns tempinhos para podermos apreciar a beleza e qualidade na TV. Fica!!

Sobre o Editor

Cláudia Brandão-Masters

Nasci portuguesa mas morei toda a minha vida na China me sentindo brasileira. Sou noveleira a 200%, amo seriados e vivo para ver, ler e sempre saber mais sobre esse mundo. Sou jornalista de formação, assessora de comunicação por vocação, bailarina por paixão e noveleira pela vida! Corro pelo mundo, sempre com os pés na terra e asas na mão.

Número de Postagens : 6

Matraca Cultural © 2012 Todos os direitos reservados.

Scroll to top