You Are Here: Home » Editorias » Música » Luiza Possi: caras, bocas, simpatia e muito close no encerramento da turnê LP

Luiza Possi: caras, bocas, simpatia e muito close no encerramento da turnê LP

Por Antonio Saturnino

As luzes se acenderam, a banda estava posicionada e ela, como uma diva Drag no melhor estilo Ru Paul, entrou desfilando no palco. Após cantar Sigo, Luiza Possi cumprimentou o público e disse: “Me irrita quando dizem que os ingressos estão esgotados e vejo esses lugares aqui da frente vazios. Vocês que estão aí em cima, desçam. Desçam, meu amor”.

Luiza Possi - Foto Teca Lamboglia
Foto: Teca Lamboglia

Era a última apresentação da turnê do álbum LP (que é de Luiza Possi, não Long Play) e ela encerrou com chave de ouro e muita simpatia. Logo na segunda música ela foi cantar no meio da galera. Sentou no colo dos fãs, tirou fotos e comentou: “Vocês estão muito bonitos e elegantes. Ai, que delícia”.

O figurino é uma história à parte. Muito brilho, lantejoula, salto altíssimo e aplique no cabelo. Algo digno de apresentadora de programa infantil dos anos 1980. “Meu sonho de criança era ser paquita, hoje estou quase realizando este sonho. Só faltou eu colocar uma bota até o joelho, mas minha stylist ficaria muito brava. Mataria todo o look”, brincou.

Na metade do show, ela convidou para subir ao palco o cantor Estevão Queiroga, talentosíssimo, diga-se de passagem. Juntos eles cantaram Mais Uma Porta e A Partida e o Norte, ambas do músico paraibano. As canções passavam uma mensagem de fé e recomeço, algo como “tente outra vez”. Depois do dueto ela completou: “música não tem religião, não tem cor, não tem sexo ou orientação sexual. Ela precisa apenas tocar o nosso coração”.

Logo na sequência ela convidou a jovem e doce Ana Vilela e juntas cantaram Trem Bala, aquela canção fofa. Confesso que nesses dois momentos citados acima caiu um cisco no meu olho.

Além das canções do seu repertório, Luiza cantou sucessos de Alcione, Zizi, Rita Lee, Etta James e encerrou o show com uma homenagem ao cantor George Michael, falecido recentemente. Sou fã confesso do George e talvez a única pessoa capaz de chorar ouvindo Freedom 90’s. Obrigado por me fazer pagar esse mico, Senhora Possi. Pode me fazer pagar mico quando quiser, sua linda.

Sobre o Editor

Antonio Saturnino

Atleta frustrado, jornalista por formação e "cantor" de karaokê nas horas vagas. Sou apaixonado pelas diversas manifestações artísticas, porém com uma relação mais íntima com a música. É ela quem dá ritmo à minha vida e se encarrega de escolher a trilha sonora adequada para cada momento.

Número de Postagens : 372

Matraca Cultural © 2012 Todos os direitos reservados.

Scroll to top